Distribuição

Aneel aprova regras para repasse tarifário de produtos do MVE

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou a minuta da Resolução Normativa nº 1.046/2022, que disciplina o repasse tarifário dos produtos mensais e plurianuais do Mecanismo de Venda de Excedentes (MVE), como resultado da consulta pública nº 72/2021.

Aneel aprova regras para repasse tarifário de produtos do MVE

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou a minuta da Resolução Normativa nº 1.046/2022, que disciplina o repasse tarifário dos produtos mensais e plurianuais do Mecanismo de Venda de Excedentes (MVE), como resultado da consulta pública nº 72/2021.

A proposta aprovada pela Aneel considera que os repasses sigam a mesma metodologia dos produtos anuais, os quais serão alocados prioritariamente à distribuidora em caso de sobrecontratação no ano civil acima do limite de sobrecontratação involuntária.

Para o repasse tarifário das vendas no MVE classificadas como voluntárias, o preço de referência é o preço médio (PMED) de compra de energia da distribuidora. Para as vendas classificadas como involuntárias, o preço de referência é o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Das 26 contribuições recebidas, apenas a EDP concordou com a alternativa proposta em consulta pública pela Aneel, enquanto a Abradee, Amazonas Energia, CPFL Energia, Enel, Equatorial e Neoenergia contribuíram para que o repasse tarifário de produtos de longa duração tenha como referência o PMED, independente da classificação dos montantes como sobra voluntária ou involuntária, pois o PLD seria muito volátil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o voto do relator do processo, Ricardo Lavorato Tili, “aceitar essas contribuições significa alocar o risco da venda da sobra involuntária ao consumidor cativo”.

Quanto aos produtos mensais, o repasse tarifário seguirá a mesma metodologia dos produtos trimestrais e semestrais. Neste caso, não houve contribuições específicas relativamente ao repasse tarifário dos produtos mensais.

A diretoria acatou as contribuições para que o produto plurianual, com prazo de duração de dois a cinco anos, tenha o preço de venda atualizado monetariamente pelo IPCA ao longo do período de suprimento.

“Quanto a esse ponto, concordo com os agentes. Tendo em vista que os produtos plurianuais ainda não foram operacionalizados, não vejo óbice à inclusão de previsão normativa de atualização dos produtos plurianuais pelo IPCA”, diz o relator em seu voto.

Leia também: 

Em ano de PLD no piso, inadimplência no MVE leva CCEE a desligar quatro comercializadoras

Matéria bloqueada. Assine para ler!
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer hendrerit dui quis libero molestie, sit amet laoreet urna viverra. Nullam nisi elit, semper et libero.