Resultados

Light intensifica cortes, mas onda de calor eleva perdas não técnicas

Distribuição

Light intensifica cortes, mas onda de calor eleva perdas não técnicas

A Light Sesa intensificou as ações de corte por inadimplemento no primeiro trimestre de 2024, ressaltando a proteção de seu caixa. Mesmo assim, observou um aumento de perdas, principalmente pelo aumento da temperatura, bem como aumento de perdas em áreas com dificuldade de acesso. Em janeiro, uma forte onda de calor com duração de seis dias provocou sensação térmica de até 60ºC, gerando temporais e vendavais no início do ano. Segundo a empresa, estes eventos, somados aos reflexos dos desafios enfrentados pela contingência na Ilha do Governador e de Paquetá, impactaram os indicadores de qualidade no trimestre

Eneva prevê despachos de térmicas no 2º semestre e espera 8 GW de demanda em leilão de reserva

Resultados

Eneva prevê despachos de térmicas no 2º semestre e espera 8 GW de demanda em leilão de reserva

A Eneva voltou a incluir em suas projeções para o fim do ano o despacho térmico por razão de energia, embora acredite ser menos provável do que o despacho por razão de potência. Segundo o diretor de Marketing, Comercialização e Novos Negócios da empresa, Marcelo Cruz Lopes, o fenômeno La Niña provocou um mês de abril mais seco, sobretudo no Sudeste, tendência que pode abrir a possibilidade para maior necessidade de despacho por energia.

Mauricio Tolmasquim

Empresas

Petrobras recebeu ofertas de 76 GW em renováveis para investir, diz Tolmasquim

A Petrobras continua avaliando projetos “robustos” de geração eólica e solar onshore, mas não pretende ser operadora em nenhum ativo. “Consideramos que não é uma área em que a Petrobras tem uma tradição em operação e, para começar, vale a pena fazer em parceria, para compartilhar riscos, capex, experiência” disse o diretor de Transição Energética e Sustentabilidade da companhia, Mauricio Tolmasquim.

Cemig prepara leilão para PCHs e ainda avalia venda de Taesa e Belo Monte

Empresas

Cemig prepara leilão para PCHs e ainda avalia venda de Taesa e Belo Monte

Ao mesmo tempo em que executa um plano de investimentos de mais de R$ 6 bilhões em 2024, a Cemig continua buscando alternativas para vender seus ativos não estratégicos, como o caso da participação na Aliança Energia, vendida à Vale, sócia no negócio, e que deve render R$ 2,7 bilhões à estatal mineira, em valores de junho de 2023. A companhia prepara um leilão para venda de quatro pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) em julho, com valor mínimo de R$ 29,1 milhões, e ainda olha alternativas para desinvestimentos em ativos maiores e mais complexos, como sua participação na hidrelétrica de Belo Monte e no capital social da Taesa.

‘Comerc vem entregando o prometido’, responde CEO da Vibra sobre opção de compra

Empresas

‘Comerc vem entregando o prometido’, responde CEO da Vibra sobre opção de compra

Com a opção de compra dos 50% restantes do capital social da Comerc Energia a partir de 2026, a Vibra Energia avalia que a empresa está entregando o que foi prometido na primeira fase da negociação. O que a Vibra tem hoje "na mesa" é a opção de compra da Comerc, atrelada ao desempenho da companhia desde que o acordo foi fechado, destacou Ernesto Pousada, CEO da companhia. "Queria ressaltar, sim, que a Comerc já vem rodando um Ebitda de 12 meses de R$ 1 bilhão, que é um Ebitda bastante relevante e que, obviamente, a Vibra tem uma parcela de cerca de 50%. Além disso, já está com mais de 90% dos projetos entregues. A Comerc vem entregando, conforme prometido”, disse.

Após problemas, PetroReconcavo avalia alternativas para escoamento e resiliência elétrica

Óleo e Gás

Após problemas, PetroReconcavo avalia alternativas para escoamento e resiliência elétrica

A PetroReconcavo está implementando ações para escoar por via rodoviária a sua produção no Rio Grande do Norte e estuda alternativas para ter mais resiliência elétrica em suas operações. A estratégia vem após problemas na UPGN Guamaré, ainda no quarto trimestre de 2023, que continuaram impactando a produção no primeiro trimestre de 2024, e após a interrupção na produção por falta de abastecimento elétrico em decorrência de fortes chuvas na Bahia e no Rio Grande do Norte.

Logotipo da Eletrobras no edifício sede, no centro do Rio de Janeiro. A holding Centrais Elétricas Brasileiras S.A. atua na geração, transmissão e distribuição de energia.

Empresas

Eletrobras aumenta esforços para receber R$ 10 bi em dívidas da Amazonas Energia

A Eletrobras está tomando providências jurídicas para cobrar a dívida junto à Amazonas Energia, que é controlada pelo grupo Oliveira Energia desde sua privatização, em 2018, mas que ainda tem uma dívida com a ex-estatal de cerca de R$ 10 bilhões. Em teleconferência com investidores, realizada nesta quinta-feira, 8 de maio, Marcelo de Siqueira Freitas, vice-presidente jurídico, afirmou que, apesar de os processos de cobrança estarem andamento, medidas “incisivas” devem ser tomadas para mitigar a situação de inadimplência corrente e buscar uma recuperação desses passivos, que se arrastam desde antes da privatização da distribuidora de energia, em 2018.

Taesa muda política de dividendos para aumentar capacidade de novos investimentos

Empresas

Taesa muda política de dividendos para aumentar capacidade de novos investimentos

A Taesa pretende focar seus esforços na alocação e na estruturação de capital antes de decidir se participará de novos leilões de transmissão. A transmissora anunciou nesta quinta-feira, 8 de maio, a aprovação de uma nova proposta de pagamento de dividendos de, no mínimo, 75% do lucro líquido regulatório, com foco em controlar sua alavancagem, que atingiu 3,8 vezes no primeiro trimestre do ano, para ter capacidade financeira de continuar participando dos certames.