Geração

Justiça adia prazo de encargo de transmissão por renováveis que pediram alteração de cronograma

Justiça adia prazo de encargo de transmissão por renováveis que pediram alteração de cronograma

A Justiça decidiu prorrogar o prazo de definição do Contrato de Uso do Sistema de Transmissão (Cust) de algumas usinas solares e eólicas, enquanto a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) avalia pleitos de alteração do cronograma de implantação desses empreendimentos. O encargo começaria a ser cobrado no próximo ciclo tarifário de transmissão, em julho, e a definição do montante a ser pago tinha como prazo final ontem, 31 de março, mesmo para agentes que pediram o adiamento do início da operação dos projetos e ainda aguardam a reposta do regulador. 

Na discussão judicial, a Aneel se comprometeu a avaliar os pedidos de mudança de cronograma até 21 de junho, e a juíza Diana Wanderlei, da 5ª Vara Federal Cível da SJDF, fixou essa data como novo prazo como limite para alteração das outorgas e definição do Cust.

As decisões foram concedidas em ações semelhantes movidas separadamente pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) e pela eólica Ventos de Santa Tereza, do Complexo Cajuína atualmente em construção pela AES Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Caso os projetos em questão entrem em operação entre julho deste ano e junho de 2023, mesmo após mudança no cronograma, a Aneel precisará correr para que o Cust seja cobrado dentro desse próximo ciclo tarifário, já que terá pouco tempo entre 21 de junho e o início de vigência das novas tarifas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Antes dos pleitos irem à Justiça, a diretoria da Aneel rejeitou processos administrativos do mesmo assunto na sua reunião ordinária da última terça-feira, 29 de abril, por entender que o pagamento da Cust independe da entrada em operação em teste e comercial das usinas, estando relacionado ao acesso por elas do sistema de transmissão.

Em seu voto, o diretor Helvio Guerra, relator do processo, declarou que aceitar a postergação num momento de competição acirrada pela conexão e capacidade de escoamento da geração em pontos do sistema em que há alta concentração de projetos de usinas eólicas e solar, seria “inaceitável e inadmissível.”

O requerimento administrativo, com pedido de medida cautelar,  tinha sido interposto pela Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica) e pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), representando associadas, e pela Essentia para o aceite provisório pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) dos pedidos de alteração da data de contratação do encargo de transmissão. Como o Cust assegura a reserva do ponto de conexão e direito ao uso da rede, a diretoria da Aneel entendeu que mesmo se a operação dos empreendimentos não começasse na data prevista no contrato, os geradores não seriam eximidos do pagamento do encargo.

Na Justiça, contudo, o resultado foi diferente. Como os pleitos feitos na Justiça eram complexos, a juíza realizou reunião com a presença dos advogados dos impetrantes e com a procuradoria da Aneel. A agência reguladora se comprometeu a concluir a análise técnica dos requerimentos administrativos de alteração do cronograma até 30 de abril, enquanto sua diretoria deve decidir os requerimentos administrativos até 24 de maio. O prazo até 21 de junho vale para eventuais pedidos de reconsideração apresentados contra a decisão a ser proferida pela diretoria.

Como foi feito o acordo para avaliação dos pedidos de alteração de cronograma, a juíza suspendeu o pagamento do encargo até essa data. O processo permanecerá suspenso até 24 de junho, quando as partes vão comunicar se o acordo judicial foi plenamente cumprido.

(Atualizado em 01/04/2022, às 10h30 e às 14h30 para melhor entendimento do assunto)

Matéria bloqueada. Assine para ler!
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer hendrerit dui quis libero molestie, sit amet laoreet urna viverra. Nullam nisi elit, semper et libero.