Opinião da Comunidade

Guilherme Dantas e Matheus Noronha escrevem: Análise econômica da inserção da tecnologia eólica offshore na matriz elétrica

Por: Guilherme Dantas e Matheus Noronha* Cerca de 15 anos atrás, uma das discussões mais eloquentes no setor elétrico brasileiro versava sobre a pertinência da realização de certames focados na contratação de projetos eólicos onshore. Na ocasião, já se verificava vultosos investimentos em usinas eólicas no panorama internacional. Entretanto, o custo elevado da tecnologia resultava em questionamentos acerca da razoabilidade da contratação de projetos eólicos onshore, especialmente ao se considerar a importância da modicidade tarifária e a presença de outras alternativas para a expansão da matriz.

Guilherme Dantas e Matheus Noronha escrevem: Análise econômica da inserção da tecnologia eólica offshore na matriz elétrica

Por: Guilherme Dantas e Matheus Noronha*

Cerca de 15 anos atrás, uma das discussões mais eloquentes no setor elétrico brasileiro versava sobre a pertinência da realização de certames focados na contratação de projetos eólicos onshore. Na ocasião, já se verificava vultosos investimentos em usinas eólicas no panorama internacional. Entretanto, o custo elevado da tecnologia resultava em questionamentos acerca da razoabilidade da contratação de projetos eólicos onshore, especialmente ao se considerar a importância da modicidade tarifária e a presença de outras alternativas para a expansão da matriz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No fim das contas, foi realizado um leilão específico para contratação de projetos eólicos onshore em 2009, tendo sido contratado uma potência instalada superior a 1,8 GW com um deságio médio superior a 20%. Desde então, se consolidou um ciclo virtuoso de expressivos investimentos em projetos eólicos onshore que tornaram esta fonte uma das principais componentes da matriz elétrica brasileira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atualmente, o advento da tecnologia eólica offshore traz ao setor uma discussão semelhante. No contexto internacional, a capacidade instalada desta fonte já ultrapassa os 57 GW e ao longo dos últimos anos se verificou uma redução superior a 50% em seus custos. Dada a aptidão da costa brasileira para projetos eólicos offshore, é compreensível o interesse dos investidores na implantação de projetos. Todavia, os custos estão no epicentro da discussão.

Estudo recente, realizado pela Essenz Soluções em parceria com a COPPE/UFRJ para a Associação Brasileira de Energia Eólica e Novas Tecnologias (Abeeólica), realizou o exercício de modelagem econômico-financeira para projetos eólicos offshore no Brasil. Os resultados indicam que o preço de viabilidade de empreendimentos eólicos offshore partiriam de aproximadamente R$ 330/MWh nos dias atuais. Trata-se de um patamar de preço superior ao praticado por outras fontes renováveis presentes na matriz brasileira.

Porém, o mesmo estudo estima que o preço de viabilidade da tecnologia eólica offshore poderá se situar entre R$ 160/MWh e R$ 230/MWh já na primeira metade da década de 2030. Neste patamar de preços, projetos eólicos offshore já se tornariam competitivos em relação a outras tecnologias existentes. Dado que a redução de custos requer o desenvolvimento industrial e ganho de escala, o cerne da questão é definir qual o momento de iniciar o processo.

Uma questão crítica nesta análise é a perspectiva de crescimento da demanda do setor elétrico brasileiro. Notadamente, a carga do Sistema Interligado Nacional (SIN) advém de um período de relativamente estagnação e a previsão é de crescimentos modestos nos próximos anos. No caso específico do Ambiente de Contratação Regulado (ACR), ainda é preciso destacar os impactos nos mercados das distribuidoras provenientes da difusão de sistemas de microgeração e de minigeração fotovoltaica. Ademais, reservas de mercado criadas por meio de entraves legislativos acabam por limitar a necessidade de contratação de projetos para atender o crescimento da demanda.

O exposto no parágrafo anterior pode conduzir ao questionamento de não ser o momento ideal para dar início ao processo de inserção da tecnologia eólica offshore na matriz elétrica brasileira. Contudo, esta tende a ser uma conclusão precipitada e que precisa ser relativizada, vide o risco de tomadas de decisão estratégicas equivocadas.

Efetivamente, a lógica de incitar investimentos em projetos eólicos offshore deve ser observada de forma abrangente e associada ao processo de transição energética. Explica-se: a descarbonização do setor energético mundial passa pela eletrificação de diversos usos finais de energia. Neste sentido, prospecta-se a criação de novos vetores de demanda por energia elétrica. Em especial, a produção de hidrogênio tende a ter um papel central no processo de transição energética e a geração eólica offshore possui enorme aptidão e complementariedade para suprir as necessidades desta produção. Destaca-se fatores associados a realização de eletrólise e utilização dos diferentes usos da água para corroborar com a estruturação dos custos produtivos e facilidade no processo produtivo do hidrogênio, conforme aponta o relatório do Relatório Global de Energia Eólica 2021 do Global Wind Energy Council (GWEC).

Portanto, a título de conclusão, deve ser enfatizada a necessidade de criar condições tecnológicas e institucionais para que a indústria eólica offshore ganhe “musculatura” no Brasil e, desta forma, se torne competitiva. Trata-se de uma alternativa de caráter estratégico. O desafio consiste em conciliar diretrizes racionais de incentivos à tecnologia eólica offshore com a minimização do risco conjuntural estar perdendo uma grande oportunidade.

* Guilherme Dantas é sócio-diretor da Essenz Soluções. Doutor em Planejamento Energético pela Coppe/UFRJ e professor da FGV Energia.

Matheus Noronha é head de Energia Eólica Offshore na Associação Brasileira de Energia Eólica e Novas Tecnologias. Doutor em Inovação e Negócios Internacionais e Professor da ESPM.

Cada vez mais ligada na Comunidade, a MegaWhat abriu um espaço para que especialistas publiquem artigos de opinião relacionados ao setor de energia. Os textos passarão pela análise do time editorial da plataforma, que definirá sobre a possibilidade e data da publicação.

As opiniões publicadas não refletem necessariamente a opinião da MegaWhat.

Leia mais:

Luan Vieira escreve: O problema do GSF nunca foi resolvido, apenas remediado

Xisto Vieira Filho escreve: As prioridades do setor elétrico brasileiro

Fábio Amorim e João Paulo Menna Barreto escrevem: Concessão de distribuição – tratar diferentes como diferentes

Marcos Leone e Paulo Mayon escrevem: O Setor Elétrico Brasileiro e o viés de Risco Zero

TozziniFreire escreve: o que esperar para a geração distribuída em 2023