Gerdau vence novo leilão da Petrobras, desta vez para descomissionamento da P-33

Maria Clara Machado

Autor

Maria Clara Machado

Publicado

01/Dez/2023 19:33 BRT

A Gerdau venceu o leilão para desmantelamento e reciclagem da plataforma P-33. O leilão foi realizado na última terça-feira, 28 de novembro. Após o pagamento do lance vencedor, a Gerdau deverá apresentar à Petrobras o plano de reciclagem da plataforma.

Segundo a Gerdau, a sucata metálica gerada pela P-33 servirá como matéria-prima para a produção de aço. Atualmente, cerca de 71% do aço produzido pela empresa é proveniente do processo de reciclagem, com a marca anual de 11 milhões de toneladas de sucata metálica transformadas em aço. A Gerdau informa ainda que outros materiais não metálicos da P-33 serão descartados corretamente, alcançando praticamente 100% de reciclagem da unidade.

O desmantelamento da P-33 será feito pela Ecovix no Estaleiro Rio Grande. Os trabalhos de desmonte e reciclagem devem durar 12 meses.

A plataforma P-33 é uma das dez unidades que produziam nos campos de Marlim e Voador, na Bacia de Campos, e estão sendo substituídas pelos novos FPSO Anna Nery e Anita Garibaldi, que compõem o Projeto de Revitalização dos campos. As duas novas plataformas têm capacidade de produzir, em conjunto, até 150 mil barris por dia (bpd).

Plataforma P-32 em direção ao estaleiro

Esta é a segunda concorrência da estatal para “destinação sustentável” de suas plataformas, após o leilão da P-32, ocorrido em julho e que também foi vencido pela Gerdau. Ambos os editais foram direcionados a companhias e estaleiros brasileiros.

Após o cumprimento dos trâmites previstos pelo leilão, na última semana a P-32 seguiu para o estaleiro Rio Grande (RS), onde será desmantelada.

Segundo a Petrobras, a P-32 será a primeira plataforma flutuante a seguir o novo modelo de destinação sustentável de embarcações adotado pela companhia.

Leia também:

Petrobras abrirá chamada para barcos e prevê oportunidade para indústria brasileira

Petrobras adota cautela ‘para não entregar mais do que a indústria consegue atender’